Brasileiro está mais otimista com economia

Resultado de imagem para economia

O brasileiro está mais otimista em relação à economia agora do que no fim do ano passado. É o que mostra uma pesquisa recente do instituto Datafolha publicada na manhã do dia 02 de maio (terça – feira). A pesquisa foi realizada com 2.781 pessoas em 172 municípios brasileiros durante a última semana de abril. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou menos.

A pesquisa mostrou que 31% da população brasileira acredita que a economia vai piorar. Em dezembro de 2016, esse percentual era de 41%; Aqueles que acreditam que haverá melhora subiu de 28% para 31%; além deles, 35% acham que tudo ficará da forma como está, ante 27% em dezembro.

O Datafolha também entrevistou quanto às expectativas em relação a situação econômica pessoal. Os entrevistados que acham que a situação vai ficar pior caiu de 27% para 18%; 45% acham que a situação vai melhorar (antes eram 37%) e 34% acha que sua situação não mudará em nada.

Inflação

Foi questionado aos entrevistados sua expectativa em relação à inflação. 56% acreditam que que a inflação irá aumentar. Mesmo percentual de dezembro. 44% acham que o poder de compra do salário será menor. Em dezembro esse percentual era de 59%.

Perspectiva de emprego

A pesquisa apontou que 57% dos brasileiros acreditam que o mercado de trabalho ainda vai piorar. Pode parecer ruim, mas esse percentual era de 67% em dezembro. Já aqueles que acham que os empregos vão melhorar no país subiram de 16% para 20%. Os que acharam que a situação vai continuar a mesma passou de 14% em dezembro para 21% em abril.

O IBGE divulgou no fim de abril que a taxa de desemprego subiu para 13% no primeiro trimestre de 2017. Trata – se do maior percentual desde 2012 com 14,2 milhões de desempregados.

Previdência social

Segundo a pesquisa do Datafolha 71% dos brasileiros não estão a favor da reforma da Previdência e 23% são a favor. 5% não sabem e 1% está indiferente a reforma.

A rejeição é maior para os brasileiros com ensino superior completo (76%); dos que têm ensino médio 73% são contrários a reforma e 64% dos entrevistados com ensino fundamental rejeitam a proposta do governo.

Entre os pontos com maior rejeição estão a contribuição de 40 anos exigida para a aposentadoria integral. 60% dos ouvidos são contrários a essa medida; 27% não querem idade mínima de 65 anos para homens e 25% são contrários a idade mínima de 62 anos para as mulheres.

 

This entry was posted in Postagens. Bookmark the permalink.