Inovação na vinheta do Carnaval 2017

Parece que 2017 será um ano diferente. É o que se comenta nas redes sociais desde o lançamento da vinheta de carnaval da rede globo, vinheta essa que é conhecida mundialmente por estrelar uma mulher negra, sempre muito bela, com o corpo nu pintado com brilho e sambando durante toda a duração do pequeno filme.

Após décadas utilizando a imagem da mulher brasileira como um estereótipo sexual, ao expô-la em rede nacional nua, a rede Globo inovou e a dançarina e coreógrafa, Erika Moura que esta há três anos como Globeleza, surpreendeu por aparecer vestida em vídeo anual de carnaval, e dessa vez a coreográfica escolhida foi além do tradicional samba, foi incluída mais três danças em seu repertório, o frevo e o maracatu que são danças típicas nordestinas, e o axé que é um gênero musical nascido na Bahia, veja aqui detalhes da preparação da vinheta do carnaval 2017.

O que se percebe nesta mudança drástica de padrões é que a luta por erradicar da sociedade essa visão machista está sendo ouvida e levada a sério, assim como a valorização da cultura carnavalesca nordestina, pois se antes o samba só caracterizava a cidade do Rio de Janeiro, agora com a inclusão de novas danças e caracterizações é possível que os turistas e demais telespectadores do carnaval no Brasil entendam que esse evento anual engloba muito mais que os desfiles e competições entre escolas de samba.

Entretanto, há aqueles que estão reclamando e fazendo criticas á mudança. Assim que liberaram a divulgação da vinheta houve uma grande movimentação em todas as redes sociais e várias pessoas aproveitaram para expor suas opiniões, inclusive, após o lançamento da vinheta pela rede Globo, o assunto “Globeleza” entrou para os Trending tópics Brasil do Twitter, por tantas menções ao tema. Há pessoas apoiando a ideia e parabenizando o canal global por se adaptar aos novos tempos e se adequar as exigências de grande parte da sociedade que batalha pela diminuição da objetificação da mulher e pela inclusão da beleza real do carnaval, que são as diversidades, a cultura, temas que devem estar á frente na divulgação do carnaval.

E como de costume, há aqueles que não simpatizaram muito com a ideia, e os comentários contrários a nova vinheta que circulam nas redes são, em sua maioria de tom sarcástico mas, em âmbito geral a iniciativa gerou muita mídia positiva para o carnaval em si e para a porta de possibilidades que foi aberta nesse novo ano, trazendo perspectivas melhores para aqueles que lutam pela igualdade de gênero e defendem a beleza e a tradição que o carnaval do Brasil carrega.

This entry was posted in Postagens. Bookmark the permalink.